sábado, 24 de dezembro de 2011

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Hélder cheio de estilo

(Clique na imagem para aumentar)
O nosso repórter de imagem, Joaquim Cágó, descobriu esta foto do Hélder a passear alegremente pelas ruas da cidade de Praia, em Cabo Verde. Esta fotografia já tem alguns anos, é notório a diferença do "look" do Hélder desde essa altura até aos dias de hoje. Há quem diga que assim que o Hélder chegou a Portugal arranjou logo um fashion adviser, dizem que é um tal de Ângelo que mora em Almada e que é alérgico a ginásios.

domingo, 18 de dezembro de 2011

Santa Justa 1? - 0 Montinhos dos Pegos

No Sábado passado deslocámo-nos ao melhor relvado natural da freguesia do Couço (é o único) e perdemos por 1-0. A questão aqui é a seguinte, mas é possível perder jogos sem sofrer um golo? Aparentemente sim, e não estou a ser tendencioso ou a puxar a brasa à minha sardinha, como toda a gente sabe, normalmente o pessoal que escreve nos blogs tem a tendência para “ver” apenas para um lado, para o lado da sua equipa, embora haja algumas excepções, blog da Fajarda, blog dos Lagoíços, e poucos mais. Mas já chegaremos ao lance do golo.
Deslocámo-nos ao campo do Santa Justa com o objectivo de conseguirmos pontuar. Parece que a história repete-se (algo que os nossos políticos não têm nunca em consideração e continuam sucessivamente a cometer os mesmos erros do passado), a época passada os resultados entre estas duas equipas foram exactamente os mesmos.
Para defrontarmos a equipa local tivemos de passar uma das pontes mais problemáticas do concelho de Coruche, como todos sabem a ponte de Santa Justa está em risco de ruir. Esta ponte foi construída pela Associação Regantes - tal como tantas outras pelo nosso concelho fora – para os agricultores e veio a servir os interesses da população de Santa Justa. A seguir ao 25 de Abril, a câmara veio armada em galifão e disse que as pontes pertenciam todas à câmara. Agora, a ponte está a ruir e chegaram pedidos à Associação de Regantes para realizar as obras na ponte, claro que a Associação de Regantes disse que nada tinha a ver com o assunto, pois a câmara é que tem a responsabilidade de arranjar as pontes. Agora ficámos neste impasse, a câmara diz que arranja mas a Associação também tem de entrar com algum dinheiro, de modo a ser uma obra conjunta. Vamos lá a ver no que é que vai dar.
Isto é só um pequeno à parte, estou a ver se consigo fazer com que alguns leitores desistam de ler o resto do texto, pois o que aí vem não é nada de animador.
Iniciámos o jogo com a seguinte equipa: Asseiceira, Didi, Cuco, Flávio, André Coelho, Manta, Zé Faísca, Hélder, Frade, Ângelo e Ferreira. No banco de suplentes ficaram os seguintes jogadores: Calcinha, Américo, Rui, Seringa e João Azevedo.
Como seria de esperar a equipa do Santa Justa entrou ao ataque e quis mostrar-nos quem é que estava a jogar em casa. Lá acertamos as marcações e equilibrámos o jogo.
Primeiro caso do jogo, Frade isola-se após excelente passe de Ângelo, o guarda-redes do Santa Justa sai e choca com o Frade, quando todos pensávamos que o árbitro iria marcar penalty e expulsar o guarda-redes, para surpresa de todos os amantes de futebol, o árbitro mostra cartão amarelo ao Frade por supostamente simular uma grande penalidade, com o guarda-redes do Santa Justa a queixar-se da costela, sinal de que tinha havido contacto. O nosso capitão foi falar educadamente com o indivíduo que andava a apitar o jogo e este mostrou ser uma pessoa muito nervosa, sem o mínimo de educação, formação e mais uma série de palavras terminadas em ão, nem deixou o rapaz falar, enxotou-o como se enxota um cão, uma pessoa para ser respeitada tem de saber respeitar os outros, nem todos somos pessoas mal formadas e sem educação.
A equipa reagiu bem e continuámos à procura do golo.
O golo do Santa Justa nasce de um pontapé de canto, um jogador do Santa Justa falha o cabeceamento, o Cuco não vê a bola e esta bate-lhe na cabeça e dirige-se calmamente para a nossa baliza, o André Coelho estava ao primeiro poste e com toda a calma do mundo, ao ver que a bola vai na direcção da baliza afinca uma serrafada na bola e despacha-a para a estalagem do Sorraia. O fiscal de linha armado em Sancho Pança levanta logo a bandeira e dá a indicação ao árbitro de que é golo, para surpresa da equipa local que nem estava a fazer conta de a bola ter entrado na nossa baliza. Eu acompanhei o lance de perto e posso dizer que nem há a dúvida sequer de a bola ter passado um bocado a linha de golo, no máximo, a bola estaria a tocar na linha de golo quando o André despacha-a dali. Até o Stevie Wonder que estava na bancada a ver o jogo, afirmou que não era golo. Como todos sabemos, há maus jogadores e bons jogadores a jogarem no inatel, mas também há péssimos árbitros e bons árbitros. Na realidade, este trio de arbitragem é mau, quem estiver a ler isto não julgue que estou frustrado por causa de termos perdido ou que quero aqui denegrir a imagem dos árbitros, nada disso, esta equipa de arbitragem é fraca, o árbitro é uma pessoa intratável e certamente que fariam um favor ao futebol se deixassem de apitar jogos, mais ninguém se iria lembrar deles. Os árbitros cometeram erros para ambos os lados, também houve faltas claríssimas que fizemos e o árbitro não apitou, mas nos lances chave fomos prejudicados, quando apenas pretendíamos uma arbitragem imparcial.
Fomos para o intervalo a perder por 1-0 quando na realidade não estávamos a perder.
Na 2ª parte entrámos decididos a dar à volta ao jogo, tivemos várias oportunidades para marcar mas não finalizámos da melhor forma ou então o guarda-redes de Santa Justa defendia, verdade seja dita, o rapaz fez uma excelente exibição e é certamente um dos melhores guarda-redes que passaram por Santa Justa na última década.
Ainda houve tempo para o sujeito que estava a apitar o jogo querer ganhar mais protagonismo, num lance disputado a meio-campo, um adepto do Santa Justa chuta uma bola para dentro do campo, ou seja, estão duas bolas em jogo, nisto o Santa Justa parte para o ataque, o Hélder ao ver duas bolas em jogo chuta uma das bolas, o árbitro pára o jogo e mostra amarelo ao Hélder, interrompendo assim o ataque do Santa Justa que poderia ter dado golo. Os meus agradecimentos ao senhor de penteado esquisito à anos 70 que chutou a bola propositadamente para dentro do campo, evitou que a sua equipa marcasse um golo mas fez com que um jogador nosso levasse cartão amarelo.
Até ao final tentámos sempre marcar o golo da “igualdade” mas encontrávamos sempre o guarda-redes da equipa da casa ou os nossos avançados rematavam por cima com a bola a passar várias vezes perto da linha eléctrica que passa por dentro do campo, digno de qualquer projecto de engenharia do 3º mundo.
Foi muito engraçado ver o avançado da equipa de Santa Justa, Alceu, a falar crioulo o jogo todo, o homem protestava com tudo, ora era por causa de não lhe passarem a bola, ora era por perder a bola, por causa do tempo estar a ficar nublado, por causa do árbitro ter bigode, por causa de um jogador nosso ter largado uma bufa bem malcheirosa, resumindo, protestou com tudo sempre em crioulo, talvez se tivesse pensado em jogar futebol as coisas poderiam-lhe ter corrido melhor e à sua equipa. Quando foi substituído, disseram-lhe que a Cesária Évora tinha morrido, o homem ficou inconsolável.
Moral da história, perdemos com um golo que não existiu e não pontuámos na disciplina por causa de dois lances que nunca seriam para mostrar o cartão amarelo. Espero sinceramente não ser mal interpretado, não é por termos perdido que estou aqui com este discurso, não há equipas invencíveis e também temos de saber perder, apenas defendo um jogo de futebol correcto e uma equipa de arbitragem à altura do jogo.
Há certas situações que são de lamentar, no final do jogo ainda houve uma troca de insultos, como é óbvio, os insultos são logo dirigidos às mães, quando estas estão em casa descansadinhas e no quentinho a ver o Natal nos hospitais.
No final do jogo ainda houve uns valentões que queriam brigar, o árbitro assim que lhe cheirou a porrada, “oh ala que se faz tarde”, nunca mais ninguém o viu. À vinda para os Montinhos encontrámo-lo junto aos ciganos da Azervadinha, ainda com o apito nos queixos e pelo caminho foi distribuindo cartões amarelos e vermelhos aos carros que passavam em excesso de velocidade, ainda hoje estou para descobrir como é que o sujeito conseguiu correr tanto em tão pouco tempo e com um apito na boca.
No final tivemos o tão aguardado jantar de Natal, o convívio mais uma vez foi excelente, é óptimo verificar o bom ambiente que existe entre todos os jogadores, direcção, famílias, adeptos e população. O jantar estava divinal e as sobremesas ainda melhores, o filho do Hélder e o filho do Cuco que o digam, cada um despachou três discos de mousse, nessa noite devem ter pintado à pistola a sanita. Quanto aos DJ’s, do pior que já ouvi nos últimos tempos, porra, não ouvi uma música de jeito, aquela música do “Ai se eu txi (com sotaque brasileiro) pego” passou algumas 15 vezes. Houve alguns jogadores que tiveram falta de comparência: Alexandre Martins, Diogo Lucas, Tadinho, Zé Faísca, Abreu, Ricardo Lascas, Nuno Monteiro, André Coelho e Seringa. Por terem faltado a este importante jantar correm todos o risco de serem relegados para a equipa do MontiBike.
O momento alto da noite foi a troca de prendas, com algumas pessoas a receberem presentes bastante originais.
O grande animador do Karaoke foi o Kuka, ele canta de tudo, desde fado até ao Final Countdown dos Europe.
No dia 07 de Janeiro de 2012 defrontamos a equipa da Volta do Vale e é importante termos todos os jogadores recuperados das lesões, estive a falar com um jogador deles que me garantiu que desta vez até os nossos treinadores levam uma entrada a pés juntos, já que foram os únicos lá que não levaram cacetada.
Um abraço a todos, excepto a algumas alimárias que vêm aqui ao blog descarregar as suas frustrações (antes isso do que bater nas mulheres ou namoradas, temos contribuído de algum modo para a diminuição do número de vítimas da APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima).

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Fotos Montinhos- Foros dos Lagoíços


Alexandre Martins, Júnior.
Momento de união...
O nosso GR Asseiceira a explicar ao Manta como se remata a bola.
O verdadeiro banco das estrelas...
Em cima: Tadinho, André Coelho, João Luís, cuco.
Em baixo: Américo, Alexandre júnior e Diogo Lucas.
Ferreira, o primeiro marcador do jogo.
A equipa técnica e o Sancho...
Jorge caçador, Lascas e Ângelo

Ele não so é Dj mas tambem marca golos....

video

DJ Sancho na festa de Natal


Este ano a direcção fez um enorme esforço para garantir que os jogadores e suas famílias tenham um jantar de Natal inesquecível. Como prova disso, após o jantar, iremos contar com a presença do DJ Sancho, um DJ que está agora a dar os primeiros passos. Este jovem DJ já passou música na Roulotte da Costa de Caparica (aquela que vende pão com chouriço),  no bar o "Xunning", na discoteca "Fast And Furious", na célebre boate "Todo Lá Dentro" e já fez algumas festas de divórcio.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Montinhos dos Pegos 7 - 0 Foros dos Lagoíços

No Sábado passado defrontámos a equipa dos Foros dos Lagoíços e vencemos por 7-0. O principal objectivo era a vitória de modo a assegurarmos rapidamente a passagem à 2ª fase, o objectivo foi cumprido.
Há alguns anos atrás, jogar contra a equipa dos Lagoíços era sinal de que o departamento médico iria ficar cheio, a equipa dos Lagoíços era uma equipa de guerreiros bravos que levavam a sério uma velha expressão do futebol, “passa a bola mas não passa o jogador”. Tal não era o receio em jogar contra esta equipa, houve alguns casos de jogadores que voluntariaram-se para ir combater para o Ultramar em vez de irem jogar contra os Lagoíços, os relatos desses tempos dizem que os jogadores vinham de lá todos amassados, negros, farrapos humanos. Felizmente os tempos mudaram e as mentalidades são outras, a equipa dos Lagoíços é uma equipa humilde, de rapaziada amiga que tem apenas um propósito, jogar futebol, convém realçar o desportivismo desta equipa e o esforço que fazem todos os anos para participar no campeonato de futebol do Inatel.
Entrámos em campo com algumas alterações no 11 face ao jogo anterior: Asseiceira, Lascas, Manta, Seringa, Calcinha, Hélder, Zé Faísca, Didi, Ângelo, Frade e Ferreira. No banco de suplentes ficaram os seguintes jogadores: André Coelho, Tadinho, Américo, Cuco, Alexandre Martins, João Azevedo e Diogo Lucas.
Entrámos bem no jogo e tivemos uma série de oportunidades para marcar, mas o guarda-redes da equipa adversária (formado nas escolas dos Montinhos) estava inspirado e fez uma excelente exibição, só não conseguiu defender o remate de Ferreira, após um excelente passe de Ângelo a desmarcar o nosso avançado que à frente do guarda-redes só teve de desviar a bola e um livre indefensável de Ângelo. Fomos para o intervalo a vencer por 2-0.
Iniciámos a 2ª parte com 3 alterações, entrou o Cuco, André Coelho e Tadinho. Apesar de o Hélder e o Zé Faísca estarem a desempenhar muito bem as suas funções no meio-campo, a entrada do Tadinho permitiu-nos chegar mais rapidamente à baliza adversária, com uma série de passes em profundidade para os nossos alas.
Quanto aos restantes golos, o Frade marcou dois, o Ângelo marcou mais um, o Zé Faísca fez um cruzamento e o defesa dos Lagoíços teve a infelicidade de colocar a bola na sua baliza e o momento alto da tarde foi penalty batido por Diogo Lucas. Quando vi o Diogo partir para a bola cabisbaixo, confesso que pensei que acertasse com a bola na mulher que estava junto à estrada a vender espargos, nada disso, o penalty foi batido com grande classe e colocou a bola no canto superior direito da baliza, a semana passada tinha sido o Seringa a estrear-se a marcar com a camisola dos Montinhos (na baliza errada), desta vez foi o Diogo.
Entraram também no jogo o Américo, João Azevedo e o Alexandre Martins, como sempre, estiveram bastante bem, é óptimo podermos contar com estes jogadores, pois eles serão o futuro desta equipa, excepto o Américo que pertence à velha guarda. Foi o primeiro jogo do Alexandre e ele estava eléctrico, talvez por causa do grito de guerra que deu antes do início da partida, parecia que tinha levado com uma malagueta no cu, o homem não parava quieto, estava em todo o lado. Quando o Calcinha estiver a jogar assim murcho, leva uma malagueta pelas “nalgas” acima para ver se desperta. Ainda houve tempo para algumas roscas, como tem sido habitual, mas a do Asseiceira foi a mais caricata, já há quem lhe chame o Quim Roscas.
Os jogadores têm sentido a falta do jogador mais polivalente desta equipa, Kuka, o homem já foi taberneiro, chefe de segurança, empregado de servir à mesa mas nos últimos jogos não tem podido dar o seu contributo à equipa. Fica aqui o aviso, se o Kuka não vier nos próximos jogos poderá correr o risco de ser relegado para a equipa do MontiBike, até já tem uma pasteleira à sua espera com um cesto à frente para a bucha, para ir com a rapaziada nos alegres passeios ao Domingo de manhã.
Já tinha dito que não gosto muito de falar dos árbitros mas quando apanhamos um trio de arbitragem como o de Sábado passado, até dá gosto jogar à bola assim, só há uma palavra para descrever este trio, imparciais, e é mesmo isso que se quer.
Quanto ao petisco, mais uma vez foi impecável, as mesas têm estado bem compostas, o convívio tem sido bastante agradável. Para a semana temos jantar de Natal, por isso pede-se a todos os jogadores e às suas famílias que compareçam e tragam um docinho que a rapaziada gosta. Cuidado que vamos ter um DJ surpresa, esta semana coloco uma foto dele aqui no blog.
Na próxima semana iremos defrontar a equipa do Santa Justa, será certamente um jogo bastante complicado mas não passa disso, é apenas um jogo com 3 pontos em disputa.
Quanto aos jogadores, convém estar na sede pelas 13:40. Na Sexta-feira à noite podem sair à vontade porque o Zé Bomba já combinou uma saída em Lisboa com o Hélder, por isso estamos safos, mas não abusem…
Até para a semana.

17 de Dezembro - Jantar de Natal

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Fotos do jogo Montinhos Vs. Azervadinha IV

A rapaziada animada no final do jantar.

A dupla mais temível de sempre, se eles alguma vez calham a sair à noite em Coruche aposto que causam mais divórcios que o facebook. Hélder e Beco, eles são como o Yin e Yang, Daryl Hall & John Hoates, Simon & Garfunkel, Lucas & Matheus, Miguel & André, George Michael e o outro gajo dos Wham que ninguém quer saber o nome e Bud Spencer & Terrence Hill.

Beco e Ângelo.

Zé Bomba e Jorge Caçador.

O pessoal da direcção.

Aníbal e Manta.

Mister Lascas não ficou lá muito bem na foto.



Os batoteiros.

7ª Jornada

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Fotos Montinhos Vs. Azervadinha III

Hélder a tentar passar por Pedro de Santana.

A rapaziada a ver o jogo.

O guarda-redes a formar a barreira.




Hélder a colocar-se à frente da bola e a evitar que ela vá para a baliza.

Didi.

André Coelho.

O golo da Azervadinha.

Miguel Abreu.


O lance em que o Didi consegue escapar ao carrinho do Pedro Santana. O Capricho não teve a mesma sorte e foi abalroado.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Fotos do jogo Montinhos Vs. Azervadinha II

As três equipas alinhadas.

Os jogadores a cumprimentarem-se antes do início da partida.

Jorge Caçador a dar algumas indicações ao Flávio.

Didi a bater um pontapé de canto.

Ângelo e o seu drible curto.

Hélder e Didi.

Didi e André Coelho.

Lascas, Hélder e Cuco a orientarem a defesa.


Hélder o Bulldozer em disputa com o Jordão.

Festejos do Hélder e do Frade no 1º golo dos Montinhos.

Cuco a ser cumprimentado pelos colegas.

Fotografias do jogo Montinhos Vs. Azervadinha

O pessoal no convívio antes de o jogo começar. Jorge Rosinha, André Coelho, Didi e Jordão.

Beco e os seus dilemas antes do início da partida.

Hélder, Ângelo e Flávio.

O pessoal a equipar-se.

domingo, 4 de dezembro de 2011

Montinhos dos Pegos 4 - 1 Azervadinha

Sábado, dia 03 de Dezembro de 2011, dia de derby, todos os caminhos iam dar à pequena localidade de Montinhos dos Pegos. Quem optou por ficar em casa a ver aqueles belos filmes que a TVI passa nos Sábados à tarde, não perdeu nada.
A equipa dos Montinhos dos Pegos foi mais uma vez obrigada a apresentar um 11 diferente do último jogo, a equipa alinhou da seguinte forma: Asseiceira, Lascas, Cuco, Flávio, Calcinha, Hélder, André Coelho, Didi, Ângelo, Frade e Ferreira. No banco de suplentes ficaram os seguintes jogadores: Manta, Seringa, Abreu, Diogo Lucas, Américo, Nuno Monteiro e João Azevedo (ou Mafra, nunca sei).
Podemos considerar este jogo o derby que não foi derby. A primeira parte até foi bem disputada, é certo que todos os caminhos iam dar à baliza da Azervadinha, embora eles também tenham tido alguns lances de perigo. O primeiro golo foi apontado pelo nosso central Cuco, através de um pontapé de canto, conseguiu chegar primeiro à bola que o guarda-redes André e cabeceou para o fundo das redes. O homem anda com faro de golo, já marca há dois jogos seguidos, há quem diga que ele antes dos jogos come duas mãozadas de alpista, daí estar em tão boa forma. O segundo golo foi apontado pelo Frade, o homem já não marcava golos há 4 jogos (o último golo tinha sido contra a Azervadinha), até o Zé Serrão já se tinha oferecido para ir de joelhos a Fátima e deixar uma velinha lá no santuário, só para ver se o Frade voltava aos golos. O Frade poupou o Zé Serrão a esse sacrifício e após uma boa jogada, frente ao guarda-redes faz o 2-0, lá destapou mais uma biqueirada e mais um problema para o nosso departamento médico, mais um jogador lesionado e desta vez com uma unha encravada, o Sr. Custódio já não tem mãos a medir.
O 3-0 nasce de uma jogada rápida de contra-ataque, o guarda-redes dos Montinhos lança a bola para o Didi, este recebe a bola atrás do meio-campo, finta um jogador da Azervadinha, outro, desvia a bola de uma toupeira, lá consegue dominar a bola, tira mais um jogador da Azervadinha da frente, a bola continua aos saltos (aquele campo é tramado), entra na área, faz uma maldade aos defesas, mete a bola por um lado e vai buscá-la pelo outro e frente ao guarda-redes não falha, faz o 3-0. Esta era daquelas jogadas que se fosse filmada estava a passar a toda a hora na SporTv, mas como não havia ninguém a filmar, fica apenas na memória dos espectadores que estavam a assistir ao jogo, que golo. Os velhotes ao pé do bar nem queriam acreditar, já viram tantos jogos dos Montinhos e nunca tinham visto um golo assim, mais uma vez, os homens do bar não deram conta a vender tantos penalties de vinho tinto, faz bem à pele, já que eles não vão à praia e não têm bronze, sempre ficam com uma cor mais rosada.
Na 2ª parte o jogo foi muito parado, os jogadores já estavam a pensar no jantar e nas minis a seguir ao jogo. A bola andou no chão, no ar, fora do campo, no quintal da vizinha, ainda houve tempo para algumas roscas (e estou a ser meiguinho) e conseguimos marcar mais um golo, desta vez por intermédio do Abreu, a finalizar já dentro da área, não dando hipótese ao guarda-redes da Azervadinha.
Não sou muito de dizer mal dos árbitros e para ser sincero, acho que o árbitro até esteve bem, mas na 2ª parte, se calhar era por causa do frio, deu em apitar faltas por tudo e por nada. Numa dessas faltas a Azervadinha consegue fazer o golo de honra, quer dizer, não foi a Azervadinha que marcou o golo, foi o nosso defesa Seringa que havia entrado ao intervalo. Um livre batido do lado esquerdo, o Vitor Lino (jogador da Azervadinha) falha o cabeceamento e o Seringa, que parecia o Forrest Gump a correr, não consegue desviar-se da bola, esta acaba por bater-lhe no braço e entra na baliza. Este jogador formado nas escolas dos Montinhos, nunca tinha marcado um golo com a camisola do clube e estreou-se logo da pior forma. Teve algum azar mas também tem faltado a muitos petiscos, acabou por ser castigado.
Ainda houve tempo para o Félix (jogador da Azervadinha) ter mais uma paragem cerebral, mandou um pontapé no Diogo, que havia entrado antes, mas o Diogo como bom militar que é, acatou as ordens do Mister, não responder a agressões. Lá na cabeça do Diogo ele só imaginava em lançar o Félix de um avião com o pára-quedas preso ao pescoço.
O Didi lá fez mais uma das suas, pegou na bola e já ia bruto para a baliza, o Pedro Santana já estava a ver o filme da primeira parte, faz um carrinho daqueles à antiga, só que o Didi é esguio como uma enguia e escapa ao carrinho, o Pedro de Santana apanha sem querer o jogador da sua equipa, Capricho, que fica estendido no chão e não fica lá muito bem tratado. O massagista da Azervadinha para ver se o Capricho estava bem, perguntou-lhe quanto é que tinha ficado o Marítimo com o Benfica, ora, o Capricho como ainda estava atordoado por ter sido abalroado por um camião do Luís Simões, não sabia o resultado do jogo, como Sportinguista que é, se estivesse lúcido teria dito logo que o Benfica tinha perdido e que o Sami tinha marcado um golo com a canela. Após esta situação o massagista da Azervadinha pede a substituição, o treinador da Azervadinha olha para o banco de suplentes mas aquele banco parecia a Assembleia da República a uma Sexta-feira à tarde, vazio. O Capricho lá teve de aguentar até ao final do jogo.
O árbitro lá dá por terminado o jogo, uma 2ª parte fraca, onde houve muitos bocejos por parte dos espectadores, tal não era a emoção do jogo. Convém salientar o excelente fair-play que houve neste jogo, felizmente não houve daquelas típicas confusões que existem nestes derbys, os jogadores de ambas as equipas estiveram a conviver no final do jogo e isso é de louvar, o melhor que levamos desta experiência do Inatel é a amizade.
Sentimos bastante a falta do nosso Chef Manta, esteve em serviço e não nos pode preparar uma daquelas excelentes refeições que só ele sabe preparar. Foi bonito ver a mesa cheia de uma ponta a outra, o convívio foi excelente.
Para a semana temos jogo em casa com os Foros dos Lagoíços, a equipa dos Lagoíços vem moralizada depois de uma vitória por 5-3 frente à Volta do Vale, este jogo ficou marcado pelos dois árbitros assistentes, Andrea Boccelli e Ray Charles, com tantos golos não devia haver foras-de-jogo. Quanto aos jogadores dos Montinhos, convém estar na sede às 14h. Cuidado com as saídas à Sexta-feira à noite, o Zé Bomba é pior que o Octávio Machado, até é bem capaz de bater à porta de casa dos jogadores só para ver se eles já estão a dormir.
Em relação aos adeptos, ainda não temos o número de adeptos pretendidos a ver os jogos, para a semana, antes do jogo, o Quim Bolas vai pegar na sua bicicleta e com o altifalante vai passar nas ruas dos Montinhos a anunciar o jogo, tipo aquelas carrinhas que andam nas ruas a anunciar o circo, só que o clube não tem dinheiro para alugar uma carrinha dessas.
P.S. -> Cuidado com aqueles jogadores que no final do jogo, no balneário, demoram muito tempo a desequipar-se e são sempre os últimos a tomar banho.

(Clique na foto para aumentar)

Fotografia do plantel dos Montinhos dos Pegos, época 2011/2012 (com muitas ausências)
Em cima, da esquerda para a direita: Joaquim Lascas, Jorge Caçador, Américo, Hélder, Ricardo Lascas, Didi, Flávio, Cuco, Manta, Seringa e Abreu.
Em baixo, da esquerda para a direita: Calcinha, Frade, André Coelho, Asseiceira, Ângelo, Nuno Monteiro, João Azevedo e Digo Lucas.